DESCUBRA A SUA VERDADEIRA VOCAÇÃO

O coaching tem se consagrado como uma das principais ferramentas para quem anda distante dos seus dons, confuso em relação a qual profissão escolher e sem coragem para fazer uma transição de carreira. Nesta reportagem, a psicóloga e coach, Iraceles Pires, ensina o caminho para chegar às respostas de todas essas questões.

 

Por Keila Bis

Quando indagada sobre os motivos que levam uma pessoa a se desconectar de suas habilidades, talentos e áreas de interesse, a psicóloga e coach, Iraceles Pires, diz que há vários motivos, mas, para ela, o principal tem a ver com uma necessidade. “A necessidade de pertencimento, de se conectar, de amar e ser amado, inerentes ao ser humano. O indivíduo tem como premissa, utilizar como modelo sua família, pai, mãe, irmão, o formador de opinião que está na internet, os amigos mais próximos, alguém que ele confia… Com isso, acaba deixando de lado a sua essência, pois quer ser amado e manter sua autoestima em nível elevado em função do afeto que isso enganosamente lhe proporciona”, explica a profissional que trabalha com base na atividade de coaching executivo e de carreira, com pilar no coaching integrado e sistêmico para performance organizacional por meio da metodologia FARM (Foco, Ação, Resultado e Melhoria). “Outro motivo pode ser a exigência de resultados do ambiente para ser reconhecido, que continua a ser pelo mesmo motivo de pertencer e ser aprovado e reconhecido, para ser amado ou sobreviver. Minha experiência diz que, qualquer dom ou talento que temos, devemos colocá-los a serviço de nossas escolhas, por um bem maior, alinhados à nossa missão de estarmos aqui como seres únicos e insubstituíveis em nossa essência. Afinal, em aproximadamente sete bilhões de pessoas que existem na face da Terra, não existem dois seres humanos idênticos na sua essência.” – esse dado foi publicado pela revista Galileu: http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI317647-17825,00-POR+QUE+SOMOS+SERES+UNICOS.html

Iraceles diz que mudar de carreira pode ser um dos acontecimentos mais impactantes na vida de uma pessoa, pois isso a afeta como um todo. “Em sua qualidade de vida, status, finanças, equilíbrio emocional, pode também afetar a vida das pessoas à sua volta, e, quanto mais radical a mudança, maior o medo e o esforço necessários. A grande recompensa por esse esforço é viver sua verdadeira vocação, alinhada ao seu propósito, ao seu desejo maior, o que a levaria a ter um engajamento ainda maior para fazer a mudança.”

Segundo Iraceles, a filosofia do coaching está relacionada em ganhar clareza de quem somos para, após essa descoberta, sabermos o que queremos fazer e, assim, obter os resultados esperados. Abaixo, ela explica alguns dos aspectos abordados no processo do coaching que levam ao encontro dos dons e talentos natos e auxilia quem tem medo de fazer uma transição de carreira. Veja:

* “Avaliamos se a pessoa está ciente do impacto dessas mudanças.

* Fazemos um levantamento do perfil comportamental e motivadores usando ferramentas específicas. Toda e qualquer ferramenta nos levará a um autoconhecimento aprofundado e às necessidades de adaptação ao ambiente e às suas escolhas.

* Proponho reflexões sobre os principais benefícios e ameaças na vida dessa pessoa relacionados a esta mudança por meio de perguntas do tipo: ‘Quais são os seus pontos fracos relacionados à necessidade dessa mudança a serem desenvolvidos?’. Depois, trabalhamos na conscientização e aceitação desses pontos. Outra pergunta é: ‘Que ameaças poderão surgir no ambiente que impedirão o seu êxito profissional se esses pontos fracos não forem desenvolvidos?’.

* Questionamos as oportunidades tanto da posição atual como da futura, para obter clareza de raciocínio das adversidades pertinentes. Algumas questões levantadas: ‘Quais são seus pontos fortes?’; ‘Onde eles poderão ser utilizados no seu projeto de mudança de carreira?’; ‘Quais oportunidades você poderia criar com base em seus pontos fortes relacionados ao cenário futuro onde estará inserido?’.

* Detectamos os sabotadores e impulsionadores para a nova fase da carreira com essas perguntas, assim descobrimos os motivadores por dor e por prazer, e com o processo, amenizamos a interferência dos mesmos na realização da mudança: ‘O que ganhará se realizar a mudança de carreira assertivamente?’; ‘O que perde se realizar a mudança de carreira assertivamente?’; ‘O que ganha se não realizar isso?’; ‘O que perde se não realizar isso?’.

* Após esse processo de autoconhecimento aprofundado e análise do cenário, elaboramos um programa de adaptação e empregabilidade de suas forças, talentos e características pessoais em busca de alinhamento com o propósito de vida declarado.”

Outro tipo de sofrimento relacionado à vocação, vem da dúvida que muitas pessoas têm por se sentirem atraídas por diferentes profissões e não conseguirem se decidir por uma. Iraceles explica que, em geral, as dúvidas são conflitos de valores. “Alguns exemplos de valores são: família, segurança, realização, carinho, afeto, status, honestidade, humildade, justiça, franqueza, autorrealização, pertencimento e bem-estar. Cada ser humano tem os seus valores com representatividade única para cada um. Encontrar o significado dos seus valores interfere nas suas escolhas, principalmente em sua carreira”, diz ela.

“Assim, tem pessoas que podem ter dúvidas, como: ‘Mudo de emprego ou compro um apartamento novo?’; ‘Escolho esta profissão que me proporciona status ou esta que me proporciona mais segurança?’. Esclarecendo esse conflito de valores, trabalhamos com perguntas do tipo: ‘Como fazer de forma diferente para conseguir mudar de emprego e comprar um apartamento novo?’; ‘Qual profissão escolher que proporcione status e segurança ao mesmo tempo?’”.

De acordo com Iraceles, são os valores que fornecem energia para a tomada de decisão para atingir nossos objetivos alinhados a nós mesmos, com autonomia e firmeza. “Não existe nada mais importante do que você descobrir o que governa sua vida. Se conseguimos entender que algo é importante para nós, e em que escala, ultrapassaremos o obstáculo da decisão, que significa um corte com algo que ganho e com as perdas que essa escolha nos impõe.”

Abaixo, a coach explica quais perguntas devem ser feitas para nos conectarmos com nossos reais valores:

*”O que decidir por esta função significa para mim?

* O que trabalhar nessa profissão específica irá me proporcionar?

* Quais os talentos e dons que tenho para atuar nesta carreira?

* O que essa escolha de carreira me proporcionará?

* Quão satisfeito eu estarei em alguns anos com esta escolha?

* O que eu ganho com esta escolha?

*O que eu perco ao escolher esta carreira e não a outra?”

Aos pais, Iraceles explica os cuidados que se deve ter para que os dons e talentos natos dos filhos não sejam perdidos ou prejudicados, mas sim preservados e estimulados:

* “Entenda que seu filho nasceu com uma luz própria, que vocês proporcionaram a ele, nesse processo incrível do milagre da vida, para ele brilhar por ele mesmo.

* Esteja aberto para o novo, pois o processo de viver é evolutivo, muda a cada segundo, pelo fato de estarmos vivos.

* Cuidado para não utilizar o filho para suprir as suas frustrações como profissional ou cidadão.

* Dê autonomia, com apoio, para que eles possam fazer suas escolhas voluntariamente.

* Façam perguntas pertinentes e direcionadas para que eles possam refletir nas próprias escolhas, como: ‘Quais são seus sentimentos com relação a essa atividade?; O que você pensa sobre sua evolução nesta função, nesta empresa?; Onde você acha que poderá chegar daqui a cinco anos optando por isso?; O quanto você se sente alinhado com essa escolha?’.

* Utilize sua experiência como referencial de desenvolvimento e aprendizado, para ajudá-lo e não o proteger. Alguns exemplos de diálogo com os filhos: ‘Na minha época, acontecia de tal forma e eu pude decidir em fazer assim… Como você imagina ser o melhor para você hoje com essas mudanças no mundo?’; ‘Como eu posso te ajudar com a minha experiência de 20 anos atrás?’; ‘De que forma você entende que podemos construir juntos um cenário onde você se encaixe melhor hoje?’

* Reflita para saber o que são suas escolhas e as escolhas dele.

* Respeite a decisão dele, por mais fora de padrão que seja segundo o seu ponto de vista. Procure entender por meio de perguntas, como: ‘O que isso representa para você?’; ‘Você está certo disto?’; ‘Você precisa do meu apoio como seu pai?’.

* Ouça atentamente o que ele tiver para te dizer sobre sua essência, seus sentimentos, suas dores e suas expectativas.

* Esteja pleno na relação de pai e filho, direcionando e apoiando o seu desenvolvimento a cada momento de sua vida, independentemente de sua opção.

 

 Iraceles Pires é psicóloga organizacional e coach de carreira, com MBA em coaching. Trabalha há dez anos nessa atividade em programas de trainees, estágios e liderança. Utiliza em suas atuações, programas rápidos de quatro sessões. “Com eficácia comprovada e resultados mensurados por meio de análise quantitativa e qualitativa de desenvolvimento de competências, aplicadas antes e após o processo de coaching para alinhamento de carreira”, explica. O autoconhecimento é o pilar de sustentação do seu trabalho, que é customizado de acordo com as necessidades de cada cliente. “Que vai desde um jovem universitário até um alto executivo momentaneamente desalinhado ao seu propósito de vida”, explica ela, coautora do livro Manual Completo de Coaching – Grandes Especialistas Apresentam Estudos e Métodos para Excelência nas Práticas de Suas Técnicas (editora Ser Mais).

 

CONTATOS DE DIVULGAÇÃO:

Linkedin: Iraceles Pires

Facebook: Iraceles Pires

E-mail: iraceles@uol.com.br

 

Posted in Sem categoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *