Entrevista sobre o CONAFLOR – Conselho Nacional de Autorregulamentação da Terapia Floral

Em 2010 surgiu o CONAFLOR – Conselho Nacional de Autorregulamentação da Terapia Floral, representante a nível nacional dos anseios de todos os Terapeutas Florais em prol da autorregulamentação da profissão no Brasil. É a entidade associativa que representa nacionalmente as associações vinculadas e seus terapeutas florais frente a autoridades, instituições, governo e demais setores da sociedade, buscando dar encaminhamento às reivindicações que concernem à Terapia Floral. Sendo assim, tivemos a honra de entrevistar Rogéria Comim, presidente do CONAFLOR, que nos contou um pouco mais sobre esta entidade associativa e sua importância para os terapeutas florais.
brasiia-rogeria-no-microfone-da-frente-parlamentar

Rogéria Comim – presidente CONAFLOR

 

 

– Comente a importância do CONAFLOR.
O CONAFLOR – Conselho Nacional de Autorregulamentação da Terapia Floral é uma entidade associativa, que congrega as Associações estaduais e regionais dos terapeutas florais do Brasil. Dentre seus inúmeros objetivos, podem ser destacados a atenção à autorregulamentação da profissão; a criação de normas que assegurem o exercício profissional responsável; a implementação da aplicação e cumprimento do Código de Ética; o apoio à busca pela capacitação dos profissionais; a busca por um currículo básico; a formação de grupos de pesquisa e estudos; a padronização de protocolos e diretrizes;  a integração dos terapeutas vinculados às associações , bem como a divulgação dos benefícios da Terapia Floral, em toda a sua extensão, à sociedade.
– Como está o processo de autorregulamentação da profissão? E por que ela é importante aos profissionais?
Entendemos que a profissão de terapeuta floral está em construção, assim como tantas outras existentes no Brasil, que existem de fato e são exercidas conforme os preceitos constitucionais, mas que ainda necessitam de legislação própria. Enquanto esta legislação nacional não chega, é essencial o papel do CONAFLOR e das Associações, no sentido de buscar e promover normas que assegurem um exercício profissional responsável e ético. Tais passos de autorregulamentação vêm sendo dados com cuidado e coerência, sempre a partir de decisões tomadas nas assembléias e reuniões do CONAFLOR, atentas às necessidades e ao movimento dos terapeutas florais e dos órgãos que trazem regras às práticas integrativas e complementares.
 A autorregulamentação é um caminho importante e imprescindível neste momento em que a profissão de terapeuta floral é reconhecida, mas ainda não regulamentada, pois busca resguardar não somente aos terapeutas florais, como também a toda a população que utiliza a Terapia Floral em busca de uma melhor qualidade de vida.
–  Segundo a regulamentação, o que é necessário para se tornar um terapeuta floral?
O papel básico das Associações e do CONAFLOR é justamente suprir esta falta de legislação em regular a profissão. Hoje a profissão de terapeuta floral é devidamente reconhecida como profissão existente e ativa, mas ainda não é regulamentada. Ou seja: ainda não existem leis que a regulamentem nacionalmente. Há muitos municípios que, individualmente, possuem Projetos de Lei aprovados, mas que também não são regulamentados, o que inviabiliza sua execução. Por isso salientamos a importância da ação das Associações regionais e do CONAFLOR a nível nacional, no sentido de criar esta autorregulamentação aos terapeutas associados. Ressaltamos que, dentro da proposta das Associações vinculadas ao CONAFLOR, além das normas de conduta descritas no estatuto e no Código de Ética, temos também a exigência da comprovação de 360 horas/aula presenciais como um dos critérios referenciais para o reconhecimento do terapeuta associado como terapeuta floral pleno, categoria que constará em sua carteira.
– Quais principais trabalhos e atividades o CONAFLOR exerce?
O CONAFLOR, junto com suas Associações regionais vinculadas, trabalha em prol da Terapia Floral. Isso significa estar continuamente atento a tudo o que diz respeito ao exercício da Terapia Floral. Nesta caminhada cada passo é importante:
-Manter um diálogo constante com todos os segmentos que fazem parte desta construção, como produtores, pesquisadores, distribuidores, terapeutas florais, sindicatos, entidades etc, buscando crescimento mútuo.
-Estar atento à sociedade em suas reivindicações e dúvidas, em tudo o que se refere à Terapia Floral, buscando, dentro do possível, dar um retorno de qualidade.
-Na medida possível, buscar o que é divulgado na mídia e dar pronta resposta quando saem matérias que não apresentam os fatos corretamente.
-Acompanhar as publicações das redes sociais e estar atento à forma de divulgação e propostas apresentadas, e efetuar publicações sempre que possível, por se tratar de mídia de grande alcance.
-Manter diálogo com o público usuário, buscando mostrar a verdadeira face da Terapia Floral e esclarecendo sobre conceitos e posturas, dentre outros importantes assuntos.
-Acompanhar escolas e universidades que oferecem cursos de formação, extensão e de Pós Graduação, buscando manter um olhar de atenção sobre identificação de propostas e docentes.
-Buscar e estar aberto a contatos com autoridades e órgãos municipais, estaduais e federais, repassando e/ou discutindo propostas de abrangência construtiva e inovadora. —Estar presente e organizar eventos da área das práticas integrativas e complementares, divulgando e promovendo aspectos essenciais da Terapia Floral, inclusive ministrando palestras de esclarecimento e/ou estar disponível para entrevistas em rádios,TV,internet.
-Participar com ofícios, sugestões e mensagens, e tb presencialmente, das agendas dos órgãos vinculados à Saúde, como Comitês, Secretarias da Saúde, Conselhos de Saúde municipais, estaduais e federais, visitar e interagir com os gabinetes de vereadores, deputados, senadores e ministros e sua assessoria, estando atento à qualquer projeto ou movimento que possa afetar a Terapia Floral.
-Acompanhar e buscar a inclusão da Terapia Floral nas escolas, creches e comunidades.
-Acompanhar e propor parcerias a todos os envolvidos na cadeia construtiva da Terapia Floral, em todos os seus níveis.
-Manter atenção às Redes sociais, no sentido de acompanhar publicações, tendências  e posturas, bem como estar atento à publicações de jornais e revistas, procurando esclarecer quando entender que algo não está em acordo com a ética e a verdade.
-Acompanhar as associações e seus terapeutas plenos vinculados, de forma a auxiliar e propor passos seguros dentro da caminhada da Terapia Floral.
-Enfim, além de todas as tarefas propostas em nosso estatuto, são diversificadas e em grande número as atividades que o CONAFLOR exerce em prol da Terapia Floral.
 – Conte-nos as principais melhorias e os avanços que o CONAFLOR pôde realizar a favor dos terapeutas florais no Brasil.
Os avanços no caminho da Terapia Floral se devem ao trabalho contínuo de um grupo de terapeutas florais que, de forma perseverante, há muitos anos seguem abrindo espaço e buscando galgar novos degraus, culminando com a organização sob a forma de Conselho de autorregulamentação. Nesta caminhada, os avanços foram muitos.  Faz parte desta caminhada a vitória inclusiva do reconhecimento como profissão. E a profissão de  terapeuta floral é hoje reconhecida pela CONCLA como profissão de atenção à saúde humana, através do código 8690-9/01. Da mesma forma, após muitos esforços, estamos devidamente regularizados junto ao CBO – Código Brasileiro de Ocupações, do Ministério do Trabalho, sob código 3221-25, junto aos terapeutas holísticos. Também há um reconhecimento pelas diretrizes do MEC,  através de cursos de especialização em diversas universidades do Brasil, como USP, FACIS, UFRJ e outras, onde monografias e trabalhos nos impulsionam na área da pesquisa acadêmica. Temos um currículo básico que norteia os associados desta entidade e faz parte da  proposta de profissionalização. Este currículo está sendo reformulado constantemente, acompanhando as mudanças na educação e estamos buscando um curso de Graduação reconhecido. Hoje inúmeros Projetos permitem a participação dos terapeutas florais nos hospitais e serviços públicos de saúde em diferentes municípios, aliada a um trabalho com cunho de responsabilidade social junto às Pastorais da Saúde de todo o Brasil.
Também tivemos a abertura de possibilidades do uso de Terapia Floral em outros setores importantes além da saúde, como na educação, veterinária, agricultura, agropecuária, e outros. A partir de constantes negociações, diferentes Conselhos profissionais autorizaram o uso da Terapia Floral aos seus profissionais vinculados, desde que fique devidamente comprovada sua formação e vinculação a uma associação de classe, destacando-se a Odontologia, Enfermagem, Farmácia e outros. Dentro do projeto político-social-legislativo, as Associações e o CONAFLOR têm participação efetiva nas reuniões e sugestões encaminhadas como membro da Frente Parlamentar pelas Práticas Integrativas na Saúde. Enfim, incontáveis são os avanços conseguidos em prol da Terapia Floral ao longo destes anos.
  –  Conte-nos sobre a relevância da criação do código de ética do CONAFLOR  e como ele tem auxiliado na vida dos terapeutas florais.
O Código de Ética é instrumento essencial para que os profissionais possam ter um parâmetro referencial sobre ações e procedimentos. O Código de Ética do CONAFLOR é utilizado por associados vinculados às Associações a nível nacional. Tem por objetivo nortear o terapeuta floral em sua prática profissional, trazendo normas que buscam resguardar a integridade e o bem-estar do cliente, do terapeuta floral e de toda a sociedade que faz uso da Terapia Floral. O Código de Ética que norteia o terapeuta floral brasileiro nos traz a qualificação técnica, o respeito às comunidades, a si próprio, aos colegas, aos demais profissionais  e à dignidade do indivíduo, trazendo referência ao Ser integral. Propõe o trabalho multiprofissional e refere as questões de igualdade e de solidariedade como essenciais, assim como demonstra limites saudáveis e éticos a todos os envolvidos. Nos traz a necessidade de normatizar a formação e a atualização profissional e estabelece padrões de qualidade. É um indicativo de direitos e deveres dos terapeutas associados e mostra um caminho a seguir. Define princípios, qualificação técnica, traz definições e conceitos necessários ao exercício profissional de qualidade. O Código de Ética deve ser atualizado, acompanhando as mudanças e preservando, em sua síntese, a ética universal e cósmica.
– Qual a sua visão a respeito do futuro da Terapia Floral no Brasil?
 A cada dia um novo espaço se abre, antevendo um futuro de sucesso e de reconhecimento à Terapia Floral. Muitos objetivos ainda não foram alcançados e continuaremos a buscar o espaço de trabalho a que temos direito constitucional. Como prática que se caracteriza pela integralidade, buscamos a possibilidade de inclusão da Terapia Floral no SUS, e também como PIC – Prática Integrativa e Complementar que é. Buscamos um curso de Graduação específico e um CBO próprio, e também a inserção de terapeutas florais profissionais nos  hospitais, postos de saúde e pastorais da saúde deste país. Buscamos a expansão da inclusão da Terapia Floral como técnica auxiliar de outras profissões regulamentadas, autorizado seu uso pelos diferentes Conselhos profissionais federais, desde que comprovada a formação como terapeuta floral. Queremos Terapia Floral exercida por Terapeutas Florais formados por Terapeutas Florais!
Para que estes e muitos outros objetivos sejam alcançados, é necessária a criação de cada vez mais associações estaduais e/ou regionais. Isto fortalecerá a categoria e virá acoplado a uma conscientização dos Terapeutas Florais sobre as questões pertinentes à regulamentação e ao exercício profissional, bem como sobre a grande importância de cada um neste processo. Cada terapeuta e cada nova associação é essencial.
O CONAFLOR segue em frente com o firme propósito de ter uma associação em cada estado e de ter, além da autorregulamentação, a aprovação de legislação específica, a nível nacional, que atenda os interesses dos terapeutas florais, de todos os demais segmentos da Terapia Floral e também da sociedade. Muito já foi feito, e ainda há muito por realizar. Temos metas, objetivos e também a esperança e a certeza de que estamos colhendo o que foi plantado, ao mesmo tempo em que estamos semeando para uma nova colheita. E para este semear é preciso o engajamento de cada terapeuta floral do Brasil. Procure a associação de seu estado! Faça parte da história da Terapia Floral!
– Soubemos que o CONAFLOR está organizando um grande e prestigiado evento que está por vir, como e quando ele será?  Quais temas serão abordados?   
Cabe ao CONAFLOR  apoiar os eventos regionais das Associações Vinculadas. Além destes, também são mobilizados eventos de cunho nacional, onde há a participação conjunta das associações em sua construção. É com imensa alegria que informamos que o CONAFLOR está construindo o 3º CONAFLOR – Congresso Nacional de Terapia Floral, através da Rioflor, que será realizado no Rio de Janeiro, no período de 10, 11 e  12 de março 2017. Este evento será um grande e alegre encontro para enfocar tópicos, expor proposições e fomentar parcerias, com o objetivo de concretização conjunta de resoluções respaldadas pela categoria.
O tema central será a Terapia Floral e as inquietações do atual momento planetário. Falaremos sobre o papel da Terapia Floral frente aos desafios atuais e como o terapeuta floral necessita estar preparado para esta atuação. Isso engloba a construção profissional de todas as atividades que envolvem a Terapia Floral e sua organização presente, passada e futura. Traz questões que vão desde a formação da identidade profissional de terapeuta floral, passando pela mobilização de produtores, distribuidores, pesquisadores e afins. Teremos temas relevantes do interesse do terapeuta floral, em sua atuação frente aos desafios de um mundo em grande desequilíbrio e mudança constante. Temas como formação e organização, renovação de diretrizes e protocolos, novo currículo de formação, novas associações estaduais, dossiês, monografias, artigos e pesquisas nos moldes científicos quânticos, a TF como Prática Integrativa Complementar. Também teremos palestras, vídeos, mesas, exposições. Sempre com temática atual e interessante, culminando com documento final conjunto com as resoluções tomadas e com a determinação do caminho a ser seguido pelo CONAFLOR.
Um encontro nacional para Terapeutas Florais e para todos os que utilizam e amam a Terapia Floral! Contamos com todos vocês!! Nos veremos lá!
Acesse o Blog da CONAFLOR:  http://conaflor-florais.blogspot.com.br/. Deixe seu contato para reservar sua vaga.

.

Posted in Entrevista, Florais de Bach.

3 Comments

  1. Por favor qual o endereco de vcs, Estive na rua Barao de garatiba e me informaram houve mudancas. Meu fone- 2493-26-07
    grata Mary

    • Boa tarde, Maricelva! Tudo bem? Você pode entrar em contato com a Rioflor pelo telefone (21) 2285-8865. No site rioflor.com.br você consegue mais informações, ok? Abraços 🙂

  2. Como faco para me registrar como associada do conaflor
    no rio de janeiro posso encontra-los aonde
    grata

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *