Ioga para o seu feminino e o masculino

Aprenda com Thais Faleiros, professora de Hatha Ioga, posturas para manter em equilíbrio a sua força feminina e masculina.

Por Keila Bis

De um lado, o acolhimento, a intuição, a confiança na vida. Do outro, o racional, o poder de decisão, a ação. Essas características feminina e masculina, respectivamente, constituem o ser humano (tanto as mulheres quanto os homens), e quando elas estão em pé de igualdade, o equilíbrio integral ocorre.

Nesta reportagem, a professora de ioga, Thais Faleiros, ensina cinco posturas que ajudam nessa estabilidade. “A energia da natureza dos seres humanos é composta pelos elementos feminino e masculino atuantes tanto em nossa psique quanto em nossa biologia”, explica Thais. De acordo com ela, para que tenhamos uma boa saúde é necessário que ambas as energias estejam devidamente equilibradas para que o prana (a energia vital) corra sem bloqueios e interrupções pelos canais sutis do nosso corpo. “Quando o prana não está circulando de forma livre ou está em desequilíbrio, ficamos doentes.

As posturas de ioga equilibram e fazem circular livremente as energias vitais, além de estimular, ativar e relaxar de forma lenta e gradual os músculos, tecidos conectivos, tendões, ligamentos e a fáscia muscular”, diz ela. Thais ensina a Hatha Ioga, que em sânscrito significa Sol (Ha) e Lua (Tha). “Hatha Yoga é um sistema de práticas desenvolvido para despertar a energia psíquica potencial humana (Kundalini) por meio do esforço físico. E o despertar da potencialidade depende da integração das duas forças solar (masculina) e lunar (feminina). É uma disciplina que nos ajuda a resgatar as duas forças e também a expandir a nossa consciência, para que possamos valorizar o que há de melhor em cada uma delas e a buscar o equilíbrio de ambas por meio da união entre a mente e o espírito.”

Veja como fazer as cinco posturas de Hatha Ioga indicadas por Thais Faleiros para manter vivas no seu corpo e na sua psique as energias masculina e feminina. “Depois que terminá-las, deite-se de barriga para cima. Relaxe os braços ao longo do corpo e mantenha as pernas esticadas e separadas. Feche os olhos. Permaneça respirando normalmente por uns cinco minutos buscando soltar e descontrair todo o corpo”, orienta a professora.

 

Balasana (postura da criança)
Sente-se sobre os calcanhares e relaxe o tronco à frente repousando a testa no solo.
Caso você não consiga alcançar a testa no chão, repouse a mesma sobre as mãos e afaste os joelhos. Permaneça nessa posição por dez respirações.

 

 

 

 

Marjaryāsana ou bidalāsana (postura do gato)
São dois movimentos que se desencadeiam. Primeiro, fique na postura de quatro apoios. Inspire e faça uma suave extensão da coluna, baixando o umbigo e elevando a cabeça e o cóccix. (imagem 1). Ao expirar, faça uma flexão do tronco, arredondando as costas para cima, projetando o umbigo para cima e a cabeça e o cóccix para baixo (imagem 2). Faça cerca de dez repetições alternadas sincronizando a respiração com o movimento.

Imagem 1

Imagem 2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Adho Mukha Svanasana (postura do cachorro olhando para baixo)
Na postura de quatro apoios, apoie a ponta dos pés no chão e pressione as mãos no chão empurrando o quadril para cima em direção ao teto (variação: apoio os calcanhares na parede). Mantenha as pernas levemente flexionadas com a intenção de esticar a coluna vertebral. Lentamente vá esticando as pernas através da raiz das coxas. Gire os ombros para fora longe das orelhas. Mantenha levemente flexionados os cotovelos e os joelhos – evite hiperesticá-los. Mantenha-se na postura por cinco respirações. Com a prática regular, vá gradualmente aumentando até chegar em dez respirações.

 

 

 

Shalabhasana (postura do gafanhoto)
De barriga para baixo, estique os braços acima da cabeça, com as pernas bem esticadas, a testa no chão e o osso púbico pressionado no solo. Eleve os braços e as pernas. Permaneça assim por cinco respirações, depois relaxe a postura balançando o quadril para um lado e para o outro. Repita essa postura mais uma vez.

 

 

 

Janu Sirsana (cabeça no joelho)
Sente-se com as pernas estiradas à frente. Flexione a perna esquerda, deixando a sola do pé ao lado da parte interna da coxa direita. Deixe o quadril alinhado, evitando que se abra para o lado da perna flexionada. Direcione o tronco sobre a perna estirada (direita), com a intenção de encostar a coluna e o abdômen na coxa. As nádegas não devem perder o contato com o solo. Se tiver bom alongamento, leva as mãos em direção ao pé, mas para isso, em hipótese alguma tensione os ombros, que devem manter-se sempre longe das orelhas e o peito, aberto. Mantenha-se assim por cinco respirações e então retorne o tronco na posição vertical. Faça o mesmo com a outra perna.

 

 

Thais Faleiros é professora de Hatha Ioga, prática que estimula a resistência, o desenvolvimento da autoconsciência e o equilíbrio entre força e flexibilidade, através do movimento preciso, da postura e da respiração. “As aulas são sempre finalizadas com um Yoga nidra (sono profundo consciente), um relaxamento guiado que traz tranquilidade e clareza”, explica Thais.

CONTATOS: www.thaisfaleirosyoga.com.br; contato@thaisfaleirosyoga.com.br

 

 

 

 

Crédito das fotos das posturas de ioga: fotos feitas para o livro Axis Yoga, de Gustavo Ponce

Posted in Saúde e Bem-estar, Terapias Complementares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *